sexta-feira, 30 de maio de 2008

terça-feira, 27 de maio de 2008

Incêndio no Edifício da CESP - 1987

O incêndio nos edifícios da CESP foi um famoso episódio ocorrido na noite de 21 de maio de 1987 e que perdurou até o final da tarde do dia seguinte.
O fogo iniciou-se por volta das 18h30 e atingiu praticamente todos andares dos Edifícios "Sede 1" e "Sede 2" da companhia, localizado na
Avenida Paulista, próximo à esquina desta com a Rua Augusta, ao lado do edifício do Banco Safra, sobre o Shopping Center 3 e defronte o Conjunto Nacional.
Durante o incêndio, a parte central do edifício "Sede 2" (que englobava o hall de elevadores) ruiu, desabando como se estivesse sendo implodida e matando um funcionário da empresa (a única vítima do acidente). O prédio acabou sendo dividido em duas partes distintas: uma bem próxima a calçada da Avenida Paulista e outra nos fundos. A parte da frente seria implodida dias depois, destruindo boa parte da estrutura do Center 3, que seria reconstruído. Por falta de recursos, o edifício "Sede 1" e o que restou do "Sede 2" seriam demolidos apenas cerca de 10 anos depois, tendo ficado durante todo este tempo como uma medonha ruína exposta no meio da famosa avenida. Segue as imagens da implosão (parte da frente) do Sede 2 (TV Globo).

A implosão foi executada pela empresa Construção, Desmonte e Implosão, do engenheiro Hugo Takahashi, implodiu a estrutura em 4 segundos, com 100 kg de dinamite.

Fontes: http://pt.wikipedia.org/wiki/Inc%C3%AAndio_no_edif%C3%ADcio_da_CESP

http://www.agperformance.com.br/paulista/historico.asp

domingo, 25 de maio de 2008

quarta-feira, 21 de maio de 2008

A Musa dos Anos 70...

Rose Di Primo surgiu como musa no início dos anos 70. Dona de um corpo escultural, faz parte de um time de mulheres tidas como naturais, sem plástica ou atributos artificiais, muito comum nos dias de hoje. Rose era natural também na cor, pois não dispensava um belo dia de sol.
Esta beldade surgiu na praia de copacabana em 1971, quando disputou um campeonato de "enrolar laterais do biquini" com outra moça, chamada Kika. De tanto querer chamar a atenção, Rose criou uma tanga de barbantinho e por este feito, ganhou destaque em diversas revistas nacionais e do exterior. Ela se considera a inventora da tanga.
Rose di Primo nasceu no dia 6 de março de 1955 em São Paulo. Iniciou a vida artística como modelo na década de 60, tornou-se símbolo sexual e atuou como atriz de cinema na década de 70. Atualmente é evangélica e mora no Rio de Janeiro.


Fonte

http://pt.wikipedia.org/wiki/Rose_de_Primo

http://www.recordando.net/blog/2008/05/musa-rose-di-primo.html

domingo, 18 de maio de 2008

sexta-feira, 16 de maio de 2008

O Sonho de um Fusca...

Só falta ele falar... pois ele tem sonhos...

quinta-feira, 15 de maio de 2008

terça-feira, 13 de maio de 2008

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Os Hippies

Os "hippies" (no singular, hippie) eram parte do que se convencionou chamar movimento de contracultura dos anos 60 tendo relativa queda de popularidade nos anos 70. Adotavam um modo de vida comunitário ou estilo de vida nômade, negavam o nacionalismo e a Guerra do Vietnã, abraçavam aspectos de religiões como o budismo, hinduismo, e/ou as religiões das culturas nativas norte-americanas e estavam em desacordo com valores tradicionais da classe média americana. Eles enxergavam o paternalismo governamental, as corporações industriais e os valores sociais tradicionais como parte de um "estabelecimento" único, e que não tinha legitimidade.
Características Associadas aos Hippies

- Roupas de cores brilhantes, e alguns estilos incomuns, (tais como calças boca-de-sino, camisas tingidas, roupas de inspiração indiana)

- Predileção por certos estilos de música, como rock psicodélico Rolling Stones, The Beatles, Grateful Dead, Jefferson Airplane, Janis Joplin, Jimi Hendrix, Led Zeppelin, The Doors, Pink Floyd, Bob Dylan, Raul Seixas, Mutantes, Zé Ramalho, e soft rock como Sonny & Cher; ou mais recentemente Phish, String Cheese Incident, the Black Crowes, ou a "trance music" de Goa;

- Às vezes tocar músicas nas casas de amigos ou em festas ao ar livre como na famosa "Human Be-In" de San Francisco, ou no Festival de Woodstock em 1969. Atualmente, há o chamado Burning Man Festival.

- Amor livre e sem distinções.

- Ideais anarquistas de comunidades igualitárias e total liberdade não violenta.

- Vida em comunidades onde todos os ditames do capitalismo são deixados de lado. Por exemplo, todos os moradores exercem uma função dentro da comunidade, as decisões são tomadas em conjunto, normalmente é praticada a agricultura de subsistência e o comércio entre os moradores é realizado através da troca. Existem comunidades hippies espalhadas no mundo inteiro;

- O incenso e meditação são parte integrante da cultura hippie pelo seu caráter simbólico e quase religiosos;

- Uso de drogas como marijuana (maconha), haxixe, e alucinógenos como o LSD e psilocibina (alcalóide extraído de um cogumelo). Porém muitos consideravam o cigarro feito de tabaco como prejudicial à saúde. O uso da maconha era exaltado mais por sua natureza iconoclasta e ilícita, do que por seus efeitos psico-farmacêuticos;

- Culto pelo prazer livre, seja ele físico, sexual, intelectual, ou tecnológico.

- Quanto à participação política, mostravam pouco interesse. Eram adeptos do pacifismo e, contrários à guerra do Vietnã, participaram de algumas manifestações anti-guerra dos anos 60, não todas, como se acredita. Ir contra qualquer tipo de manifestação política também faz parte da cultura hippie, que privilegia muito mais o bem estar da alma e do indivíduo.

- Fome intelectual insaciável. Costumam não serem muito adeptos a tecnologia, preferindo ficar em natureza.


quarta-feira, 7 de maio de 2008

Arqueobusófilo - Paixão por Ônibus!

Meu nome é Eduardo Rocha, tenho 44 anos e sou "arqueobusófilo" . Graças a internet descobri que não sou maluco sozinho!
Coleciono maquetes e a maioria das que possuo são de autoria do artesão Carlinhos Sebastião Coelho, de Belo Horizonte - MG.

Aqui estão algumas das imagens.




terça-feira, 6 de maio de 2008

Marina Lima - Virgem

Karmann Ghia - Um Clássico Nacional

O Karmann Ghia é um carro esportivo de dois lugares produzido pela Volkswagen, projetado pela empresa italiana Ghia, e construido pela empresa alemã Karmann. Cerca de 445 000 Karmann Ghias foram produzidos entre 1955 e 1974.

A década de 1950 representou um marco na história do automóvel, sendo a época da expansão e do crescimento de uma nova categoria de veículos diferenciados, sobretudo quanto ao aspecto estético - até então dominado pelos modelos grandes e robustos. A Volkswagen, apesar de já representar o restrito grupo dos fabricantes de carros pequenos, queria produzir um carro que representasse o impacto visual desta nova geração (além do seu já bem sucedido Fusca). Em busca deste carro, os executivos da VW procuraram a Karmann, que já participava da produção do Fusca Conversível.

O projeto inicial apresentado pela Karmann não agradou muito aos executivos da VW. Buscando satisfazer um cliente tão importante, a Karmann procurou ajuda em outras empresas especializadas - e foi então que Luigi Segre, responsável pelo renomado "carroziere" italiano Ghia, apresentou a Wilhelm Karmann um desenho recusado pela Chrysler. Aprovado por Heinrich Nordhoff, então presidente da VW, em 1955 o primeiro Volkswagen Karmann Ghia deixou a linha de montagem em Osnabruck como modelo 1956.

O sucesso conseguido pelo carro, bem como os planos de crescimento da empresa no Brasil, fez com que a VW resolvesse produzi-lo no Brasil em 1962. Neste ano as primeiras unidades e as opções de motorização acompanharam o mercado europeu. Em 1972 a Volkswagen do Brasil decidiu tirá-lo de linha, enquanto o modelo europeu ainda seria fabricado até 1974.

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Profissão Perigo - MacGyver

Tem um fósforo? E... um clip de papel? Se não tiver nenhum dos dois, serve um chiclete, ou uma barra de chocolate.


Macgyver é o cara. Antigo agente das Forças Especiais do governo americano, O investigador passou a trabalhar para a Fundação Fênix, dedicada a combater o “caras maus” ao redor do mundo. Até aí, nada de diferente, certo? A trama podia ser de um episódio das panteras ou de uma brincadeira com o boneco Falcon. Ahá! Mas é aí que vem a grande sacada: o MacGyver conseguia combater o mal e mais um pouco sem usar... uma arma sequer!Com alguns apetrechos inocentes no fundo do bolso (como aqueles que você se esquece de tirar antes de mandar para a lavanderia) e bons conhecimentos de química e física, ele conseguia fabricar quase qualquer coisa. Com um clip, pronto! Ele fechava o circuito de um míssil nuclear. Vazamento de ácido? Ahá: é só usar uma barra de chocolate.

Profissão Perigo (ou MacGyver, o título original) começou a ser transmitida nos Estados Unidos em 1985, e durou até 1992. Foi uma das séries de maior sucesso dos anos 80. O personagem de Richard Dean Anderson era admirado pelos meninos, arrancava suspiros das mocinhas e de quebra virou um modelo de comportamento, elogiado por críticos, pais e professores.

O episódio de estréia da série, Missão Inicial, estreou no Brasil somente em 1986, no lugar de Viva O Gordo, no período de férias do Soares. Abaixo, os "truques" usados por MacGyver no episódio:

1. Desarma míssil com auxílio de um clipe;

2. Com um rifle, fósforos, elástico e galho de árvore, cria tiroteio "por controle remoto" para distrair o inimigo;

3. Amassa cano de uma pistola de sinalização para transformá-la em foguete de empuxo;

4. Torna raios laser visíveis com fumaça de cigarro;

5. Redireciona laser com lente de binóculo até raio atingir a própria fonte;

6. Ergue viga, dando nó em uma mangueira contra incêndios;

7. Detém vazamento de ácido fazendo-o reagir com dissacarídeos de chocolate (lactose e sacarose) para formar carbono elementar e resíduo grosso viscoso;

8. Cápsulas de remédio e sódio metálico são transformadas em pequena bomba.

Pois é, MacGyver é o cara.


Fonte: http://www.autobahn.com.br/dummies/macgyver.html


domingo, 4 de maio de 2008

Matéria sobre um mito da indústria automobilistica: SP1 / SP2

Whitesnake - Is this love

Essa música é demais!!!
(música velha! rs rs rs)

Fred - Esse é o cara !!


Nao é o Jeep que é feio e desconfortavel, é voce que é um chato!


Colecao - Brinquedos - Boneca Susi - Entrevista com Fernanda Tini - Jornal da Gazeta - TV Gazeta

Matéria sobre a evolucao da boneca Susi e entrevista com uma colecionadora.